sábado, 11 de dezembro de 2010

Impressionismo 1



Claude Monet 

Impressionismo - Texto

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX. Os artistas seguiam algumas regras práticas em seus procedimentos técnicos para obter os resultados que caracterizaram a pintura impressionista.
Este movimento se iniciou em 1872.
Ao olhar uma obra impressionista de perto, vêem-se apenas pinceladas separadas que parecem manchas sem contorno. Vistas de longe, as pinceladas organizam-se para os nossos olhos criando formas e luminosidade.


Luz e movimento


Os artistas impressionistas não tinham mais interesse em temas ligados à nobreza, à igreja, ou em produzir retratos fiéis à realidade. Um dos motivos de tais questionamentos teria sido a invenção da fotografia, a lógica era: para que fazer quadros que copiem a realidade de maneira exata, se para isso já existe a fotografia?
Para não retratar a realidade de forma exata como os realistas, os impressionistas começam a prestar mais atenção no efeito que a luz tem sobre as cores e sobre a sombra. A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente, dependendo da incidência da luz do sol.
As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam representá-las no passado.
Além disto, a tentativa de retratar o movimento é um elemento crucial desta pintura.
Em seus quadros podem-se ver o movimento das águas, os reflexos da luz, a fumaça de um trem que chega à estação, o nevoeiro sobre um rio, a indefinição no contorno das figuras que se mexem no palco. A idéia é pintar o que não pode se repetir, um determinado instante.


PRINCIPAIS ARTISTAS


Monet
Incessante pesquisador da luz e seus efeitos, pintou vários motivos em diversas horas do dia, afim de estudar as mutações coloridas do ambiente com sua luminosidade.

Renoir
Foi o pintor impressionista que ganhou maior popularidade e chegou mesmo a ter o reconhecimento da crítica, ainda em vida. Seus quadros manifestam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense do fim do século XIX. Pintou o corpo feminino com formas puras e isentas de erotismo e sensualidade, preferia os nus ao ar livre, as composições com personagens do cotidiano, os retratos e as naturezas mortas.

domingo, 5 de setembro de 2010

Professor


Você, que é professor, procure modelar seus alunos com seu próprio exemplo. O exemplo vale mais do que as palavras. Tenha paciência, responda de boa mente a todas as perguntas, porque os alunos são muito receptivos e ansiosos de aprender. Dê tudo o que pode, entregue-se à sua profissão como um sacerdócio dos mais sublimes, e tenha a alegria de ver uma plêiade de jovens que trabalharão em benefício de todos, e que foram formados por você!


segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Realismo 3



Natureza Morta - Gustave Courbet

domingo, 22 de agosto de 2010

Realismo 2



Natureza Morta - Edouard Manet

Realismo - Texto

Realismo foi um movimento artístico e literário surgido nas últimas décadas do século XIX na Europa, em reação ao Romantismo.


O Realismo se desenvolveu baseada na observação da realidade, na razão e na ciência. Das influências intelectuais que mais ajudaram no sucesso do Realismo denota-se a reação contra as excentricidades românticas e contra as suas idealizações da paixão amorosa. À passagem do Romantismo para o Realismo, corresponde uma mudança do belo e ideal para o real e objetivo.


Características do Realismo


Veracidade:
Despreza a imaginação romântica;


Contemporaneidade:
Descreve a realidade, fala sobre o que está acontecendo de verdade;


Retrato fiel das personagens:
Caráter, aspectos negativos da natureza humana;


Gosto pelos detalhes:
Lentidão na narrativa;


Materialismo do amor:
Mulher objeto de prazer/adultério;


Denúncia das injustiças sociais:
Mostra para todos a realidade dos fatos


Determinismo e relação entre causa e efeito:
O realista procurava uma explicação lógica para as atitudes das personagens, considerando a soma de fatores que justificasse suas ações. Na literatura naturalista, dava-se ênfase ao instinto, ao meio ambiente e a hereditariedade como forças determinantes do comportamento dos indivíduos.


Linguagem próxima à realidade:
Simples, natural, clara e equilibrada


Artistas
Edouard Manet (1832-1883) Francês
Gustave Courbet (1819- 1877) Francês

terça-feira, 17 de agosto de 2010

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Realismo



Edouard Manet 

O que é Performance?

A Performance Artística é uma modalidade de manifestação artística interdisciplinar que pode combinar teatro, música, poesia, vídeo, etc.


"A performance é antes de tudo uma expressão cênica: um quadro sendo exibido para uma platéia não caracteriza uma performance; alguém pintando esse quadro, ao vivo, já poderia caracterizá-la" (Renato Cohen)


A performance é característica da segunda metade do século XX, mas suas origens estão ligadas aos movimentos de Vanguarda do início do século passado.


Difere dos Happening por ser mais cuidadosamente elaborada e não envolve necessariamente a participação dos espectadores. Em geral, segue um "roteiro" previamente definido, podendo ser reproduzida em outros momentos e locais.


Glossário:
O que é interdisciplinar?
É quando se misturam várias áreas do conhecimento. 


O que é movimento de Vanguarda?
É aquele movimento artístico que está à frente de seu tempo. Os movimentos de vanguarda que deram origem as performances , surgiram na Europa num momento de grande transformações e conflitos. Esses movimentos foram denominados: Expressionismo, Cubismo, Futurismo, Dadaísmo e Surrealismo.


O que é Happening?
São ações que são realizadas por artistas, como "acontecimentos", não são repetidas e nem ensaiadas. Esses happenings deram origem as performances, agora mais elaboradas, extremamente preparadas e pouco improvisadas, e que podem ser repetidas várias vezes.

Estudos e preparação de aulas para as 7ª séries do colégio Lasar Segal - SP



Cronologia:
- Meados do Séc. XIX - Realismo
- Final do Séc. XIX - Impressionismo
- 1905 - Expressionismo
- 1909 - Cubismo
- 1910 - Futurismo
- 1914-1918 - I Guerra Mundial
- 1917 - Dadaísmo
- 1924 - Surrealismo
- 1939-1945 - II Guerra Mundial

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Gesto Inacabado



"O artista deve acreditar em seus olhos"



A Necessidade da Arte



"A arte é necessária para que o homem se torne capaz de conhecer e mudar o mundo. Mas a arte também é necessária em virtude da magia que lhe é inerente."


Ernest Fischer 



segunda-feira, 12 de julho de 2010

Movimento Mínimo - FILO 2010












Para ver teatro

" Para se compreenderem variações na arte cênica é interessante ter-se em mente uma analogia com a pintura: um objeto que pode ser, por exemplo, uma paisagem, pode ser pintado (representado) de forma realista (objetiva, que se aproxima da fotografia), de uma forma impressionista (subjetiva), de uma forma surrealista (transformada), de uma forma abstrata ( não guardando uma relação icônica com o objeto) etc. Neste sentido é possível falar em cena naturalista, em cena impressionista, surrealista, expressionista, abstrata etc." 

Renato Cohen

Em Breve!! Ágeis Neuróticas em: Metrô Rules






terça-feira, 29 de junho de 2010

Da Ideologia da Performance: Uma Reversão da Mídia


Interessa-nos, neste ponto,  examinar com mais atenção o que está por trás da linguagem da performance. Do por que da estrutura fragmentada, das imagens multifacetadas e das vozes eletrônicas. Do por que do sacrifício de Joseph Beuys? Questionar o que o Fluxus, com suas performances-demonstrações desejou mostrar.

Para encontrar alguma resposta, talvez seja preciso rediscutir a função da arte. O artista é antes de mais nada um relator de seu tempo. Um relator privilegiado, que tem a condição de captar e transmitir aquilo que todos estão sentindo mas não conseguem materializar em discurso ou obra.

Talvez a melhor definição de arte para o nosso tempo - tempo da eletrônica, da aldeia mcluhaniana, das imagens efêmeras- seja a definição cibernética de Schechner: "rearranging bits of information is the main way of changing experience" (O principal meio de trocar experiências é rearranjando bits de informação)

Cabe ao artista captar uma série de "informações" que estão no ar e codificar essas informações, através da arte, em mensagem para o público. Essa codificação não implica limitação, mas, isto sim, retransformação através de outros canais.

E retransformação, releitura são conceitos de momento. Trabalha-se com a redundância, com o reaproveitamento da própria arte através de uma outra ótica de observação. É a era do Pós-Moderno, estética híbrida, que examina e realiza com outra tecnologia conceitos formulados na modernidade.

E qual a mensagem que está sendo captada? A mensagem da mídia. A voz eletrônica do sistema (a voz orwelliana de 1984) que veicula seus estatutos e seus rostos padronizados. E essa emissão é cada vez mais fragmentada e subliminar. O sistema se insinua em cada texto, em cada imagem, em cada objeto utilitário. O sistema trabalha em multimídia. Artistas se "vendem" por um pequeno valor ou por uma breve aparição narcísica no espaço da mídia.

O discurso da performance é o discurso radical. O discurso do combate (que não se dá verbalmente, como no teatro engagée, mas visualmente, com as metáforas criadas pelo próprio sistema) da militância, do underground. Artistas como Beyus e o grupo Fluxus fazem parte da corrente que trouxe os dadaístas, os surrealistas e a contracultura entre outros movimentos que se insurgem contra uma sociedade inconseqüente (e decadente) nos seus valores e também contra uma arte que de uma forma ou outra compactua com esta sociedade.

O uso da collage, da imagem subliminar, do som eletrônico são propostas estéticas de releitura do mundo. Da mesma forma que a mídia "cria realidades", na arte de performance vão se recriar realidades através de outro ponto de vista. Resistente. Vai se jogar, sensivelmente, com as armas do sistema. A linguagem da performance é uma reversão da mídia.

A mídia manipula o real (artificialmente se criam padrões, mitos, imagens etc. que passam a ser aceitos como verdade). O que se faz na performance é, utilizando-se essas mesmas "armas" (incluindo-se tecnologia e eletrônica), manipular também o real para se efetuar uma leitura sob outro ponto de vista (como na metáfora Zelig de Woody Allen onde se cria uma realidade histórica).

A linguagem fragmentada diz respeito ao nosso tempo. O séc XX (segunda metade) é o século do fragmento. As tentativas unificadoras do século XIX, de se entender o mundo através do cientificismo racionalista, já não cabem mais. Se o século XIX produziu a fotografia, e depois o cinema que trabalham com o registro, a documentação; o século XX introduz a televisão, o vídeo, que trabalham com a imagem efêmera, fragmentada, sem memória. Qual a unidade que existe entre uma emissão e outra? Como bem coloca J. C. Ismael, após Hiroshima, o que nos sobra são os cacos, as peças do quebra-cabeça.

Da mesma forma já não faz mais sentido a cena naturalista (observada da fechadura da porta) nem o discurso narrativo. Não há "história" para ser contada - todas as "histórias" já são conhecidas. Na medida em que o teatro (parte dele) se basear em uma forma-idéia que vem do século passado, ele nunca mais ocupará o lugar de vanguarda, que já ocupou em outras sociedades, mas sim o de reboque das outras artes. Conservará apenas a função museológica. Isso por puro misoneísmo, porque a relação teatral do homem em frente do outro homem (mesmo com aparato tecnológico) é eterna.

COHEN, Renato. Performance como Linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 87-89.

Trabalho de ator





O ator fica com a fadiga, o espectador com a tristeza, alegria, amor, paixão, ódio, raiva...



segunda-feira, 28 de junho de 2010

Ator



A técnica permite que o ator se utilize de seu corpo de memórias!



domingo, 27 de junho de 2010

O artista!





Quanto mais você viver, mais experimentar..
Mais coisas terá sobre o que falar!



quinta-feira, 10 de junho de 2010

segunda-feira, 7 de junho de 2010

sábado, 29 de maio de 2010

A Inquietação do Artista







O Artista não tem respostas; tem MUITAS perguntas!






Daiane Baumgartner

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Henri Matisse



Odalisca con le magnolie - 1924

A sociedade Brasileira

De acordo com Paulo Freire, nossa sociedade nasceu como uma sociedade fechada, caracterizada pela alienação cultural, falta de vinculo dialogal entre as elites e as massas, objeto e não sujeito de seu destino, devido ao fato de possuir um comando externo de uma economia baseada na exportação de matéria-prima, enfim, surgiu como uma sociedade que possuía grandes dificuldades em discernir e apreender a realidade.
Ainda de acordo com Paulo Freire, a partir das primeiras décadas do Séc. XX, depois dos primeiros surtos de industrialização, o Brasil entrou em crise, e passou assim, a ser uma sociedade em transição, caracterizada pela “emersão do povo” que exige a sua participação ativa dentro desta sociedade. Acontece então uma tomada de consciência do povo em relação a sua vida, mas essa consciência é uma consciência transitivo-ingênua, caracterizada pela simplicidade na interpretação dos problemas, sem compreender a noção de coletividade, pela fragilidade de argumentação, pelo apelo a explicações mágicas dos fatos, pela prática da polêmica e não do diálogo.
Para que essa consciência da sociedade, saia do nível transitivo-ingênuo e passe para o nível transitivo-crítico, ou seja, uma sociedade caracterizada pela profundidade na interpretação dos problemas; pela substituição das explicações mágicas por princípios causais; pela preocupação em testar os “achados” e se dispor a revisões; por negar à transferência de responsabilidade (recusa a posições “quietistas”; pela prática do diálogo e do questionamento) é necessário uma educação dialogal e ativa, voltada para a responsabilidade política e social.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. 29 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Performance

" No Brasil, no entanto, a absorção da performance refletiu um típico processo de colonização cultural, no qual os mais recentes avanços da cultura americana ou européia são excessivamente valorizados pela mídia e assumidos de maneira rápida e superficial, gerando eventos, obras e publicações equivocadas, e um público desesperado" (Arthur Matuck)

É, acho que mesmo depois de 50 anos, ainda existe muita gente dizendo que faz performance por aí, sem nem saber o que isso significa!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Mi-Ayann 2

Será que existe vida lá fora?
O frio no tremor do meu corpo, a saída é ali,
Luz fina, fraca, me ilumina enquanto espero a hora,
Se a corrente me segura, é porque estou aqui
Se estivesse lá fora, eu veria...
Se eu soubesse mudaria...

Daiane Baumgartner

Cinema - Sutil Companhia de Teatro





Ontem fui ver o espetáculo "Cinema" da Sutil Companhia de Teatro em cartaz no Centro Cultural Fiesp Ruth Cardoso. Entrei no teatro e olhei o cenário, pensei: "Ah, tá! Os atores vão ficar sentados e falando!" 
Quando passamos pela porta do teatro, encontramos um "espelhamento", ou seja, o cenário do espetáculo são as cadeirinhas vermelhas do cinema destruído de São Roque - SP, e assim, no decorrer do espetáculo vamos nós deparando com nossas reações, com nossos desejos, com nossa imaginação, quando assitimos a algo. Interessante!!! 
Adorei o espetáculo. O diretor Felipe Hirsch é realmente genial, nos surpreendendo em meio a estranhamentos, risadas, ações inusitadas, impressões fortes dos filmes que são construídos a partir da sonoplastia, o que nos aguça ainda mais a audição, instigando a nossa identificação com as reações dos atores, até que nos sentimos realmente dentro do espetáculo; nos sentimos atores quando esse "espelhamento" se faz de uma forma direta, em que atores e público se encaram frente-a-frente!
A Iluminação é um show a parte, concebida por Beto Bruel, nosso olhos se acostumam com a meia luz, com as minuciosas mudanças de luminosidade que encontramos em um ambiente escuro quando a TV está ligada. Além de construir belas sombras (eu adoro sombras).
Achei o espetáculo um tanto longo (acho que é porque estou acostumada com espetáculos de 40 minutos) mas vale a pena conferir!


Serviço: 
Quando: Até 4 de Julho de quinta a domingo às 20h
Quanto: De quinta a sexta - entrada franca
Sábados e Domingos: Inteira R$ 10,00/ Meia: R$ 5,00
Onde: Centro Cultural FIESP - Ruth Cardoso - Av. Paulista, 1.313


Minha próxima parada: Alice através do Espelho- Phila7

sábado, 22 de maio de 2010

Mi-Ayann 1

Eu tenho medo do escuro,
Eu tenho medo de estar só,
Eu tenho medo de estar só no escuro e perceber que na verdade não estou sozinha.


Daiane Baumgartner

Henri Matisse



Carmelina

O Artista

O artista é um homem que não pode se conformar com a renúncia à satisfação das pulsões que a realidade exige. Toda arte é o desenho do desejo. O artista dá livre vazão a seus desejos eróticos e fantasias. A realidade interdita o tempo todo. Desde coação social até a gramática. A obra de arte se caracteriza pela transgressão, por não obedecer a gramática.

Sigmund Freud

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Rodin para Mim (Venus)

Agachada, calcanhar esquerdo no ísquio direito, meu quadril está levemente inclinado para a esquerda,
Peito para frente, inclinado, direita alta,
Mão esquerda na nuca (braço esquerdo se esconde embaixo dos cabelos),
Mão direita - meu dedo indicador aperta levemente meu dedo mínimo da mão esquerda,
Cabeça para trás e o rosto? Virado para o lado esquerdo baixo (quase encosto meu nariz na axila, mas isso é um comentário),
Barriga contraída.


Daiane Baumgartner

quarta-feira, 19 de maio de 2010

A valorização da Arte

Para superar o niilismo - que está pondo abaixo os valores supremos, alimenta o pessimismo e a fraqueza - a transvaloração de todos os valores perseguida por Nietzche ergueria uma cultura voltada para o prazer na alegria, o corpo integrado à imaginação poética, à arte, em suma. Nem a religião, nem a ciência, nem a filosofia, mas a ARTE, com sua embriaguez dos sentidos, enraizada no presente mas aberta ao futuro, a arte seria o fio condutor para um novo estilo de vida.

Jair Ferreira dos Santos

Henri Matisse




La Lecon de Musique 1917

terça-feira, 18 de maio de 2010

A Nota Lá





PS: Eu sempre vou usar a nota LÁ nas minhas músicas!







II Simpósio de Estudos Sobre Cultura: Linguagens e Abordagens no Campo da Performance - USP

Amanhã participarei do II Simpósio de Estudos Sobre Cultura: Linguagens e Abordagens no Campo da Performance, no departamento de história da Universidade de São Paulo. 
Já faz um tempo que venho pesquisando muito sobre a Performance Art, e espero construir um texto relevante a partir dos meus estudos e da participação neste Simpósio, e logo publicarei aqui!
Enquanto isso, conferimos do que irá tratar este Simpósio.

O II Simpósio de Estudos sobre Cultura: Linguagens e Abordagens no campo da Performance” tem como objetivo concretizar, sintetizar e aprofundar uma etapa das discussões desenvolvidas no grupo de estudos "Produção Cultural no Brasil". O grupo é interdisciplinar, composto por alunos de pós-graduação dos departamentos de História, Antropologia e Música da USP, e tem como proposta o estudo da cultura brasileira no século XX, abordando-a a partir de diversas linguagens, como literatura, música, dança e teatro. Com a proposta da realização de Simpósios anuais do grupo, buscamos contribuir para potencializar e ampliar os estudos nas áreas de conhecimento relacionadas à arte e à cultura brasileira. Neste evento temos como temática central a questão da Performance, que será abordada através de diferentes focos e perspectivas teóricas e metodológicas pelos pesquisadores do grupo, professores e artistas convidados. A justificativa da escolha deste tema partiu da constatação da importância fundamental desta questão em nossos trabalhos, quando tratamos de estudar a cultura. Finalmente, entendemos o Simpósio como um espaço potencialmente rico para que possamos refletir e aprofundar as diversas possibilidades de estudo e acepção da questão da performance nas pesquisas sobre cultura, configurando-se em um espaço de construção do conhecimento, de maneira dinâmica e integrada, entre alunos, pesquisadores, professores, artistas e o público participante.

Texto extraído do Site: www.fflch.usp.br


Serviço:
Quando: de 18 a 20 de maio de 2010
Onde: no Anfiteatro do departamento de História - USP



Si María descansara



Si Maria despertara y se encontrara cantando,
con todo el sonido de las campanas en su voz.
Sonaría María cual campana callada que sonara
en silencio por el luto que se guarda por la pena
de velaria a María.
Pero si María despertara




Poema de Zergio.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

quarta-feira, 12 de maio de 2010

FESTIVAL INTERNACIONAL DE LONDRINA 2010

Movimento Mínimo é um dos selecionados para o FILO 2010




Saiu a lista dos espetáculos selecionados para o FILO 2010. Dentre os selecionados uma Cia que eu gosto muito a Cia. Truks, do diretor Henrique Sitchin, com o espetáculo Cidade Azul. 
O espetáculo Movimento Mínimo, também foi um dos selecionados, e por este motivo Londrina me aguarda em Junho!
Para conferir e lista completa da 42º edição do FILO (e aí blog NaFilaDoFilo, é a 42º edição mesmo??), clique aqui:http://www.filo.art.br/espetaculos2010.html


domingo, 2 de maio de 2010

terça-feira, 13 de abril de 2010

Arte = cultura e sociedade



Através do trabalho vamos conseguir unir essas duas vertentes do ser humano: seu modo de manifestar seus impulsos, seus pensamentos, suas inquietações, suas formas de ser e estar e suas relações com o outro!
A arte é a união dessas duas coisas! 
Ágeis Neuróticas e Actan Tantes - Mode ON

quinta-feira, 25 de março de 2010

Movimento Mínimo na Mostra de Teatro e Circo em Londrina





Neste domingo, dia 28 de março, dentro da Mostra de Teatro e Circo 2010, será apresentado no Teatro Ouro Verde, o espetáculo "Movimento Mínimo".

“Movimento Mínimo” é o espetáculo resultante da pesquisa de alunos do curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Londrina dentro do Projeto “Programa de Formação Complementar: Prática de Encenação”. Objetiva pesquisar e experimentar as diversas linguagens que compõem o espetáculo teatral, promovendo a interdisciplinaridade entre o próprio fazer teatral e outros meios artísticos de comunicação, como a música e a dança.
Dirigidos pela professora Ceres Vittori, os seis atores do grupo construíram o espetáculo buscando referências no movimento Minimalista, na literatura e no Balé Clássico. O processo de montagem foi realizado com a cooperação de professores da Universidade, profissionais e empresas. A trilha sonora original composta para o espetáculo por Wander Lourenço segue a estética minimalista e dialoga com toda a construção visual e corpórea proposta pelos atores.
No processo de construção do espetáculo os movimentos e posturas do Balé Clássico foram utilizados como a base da criação de partituras corporais seguindo a estética do Movimento Minimalista; Textos como “O Inferno” de Dante Alighieri, o “Apocalipse” de João e ainda alguns escritos de Friedrich Nietzsche, William Shakespeare, Carlos Drummond de Andrade e John Milton, serviram de estímulo para a criação e pontuam o espetáculo.
Cada mínimo movimento tem suma importância para a sustentação da existência humana; A vida cotidiana é repleta de pequenas repetições contínuas. Eternamente... Sem amor, sem esperança, sem ódio. Um mínimo movimento faz toda a diferença. Diante da banalidade da vida e da morte, a diferença está no detalhe, no cuidado. É a diferença entre ver o outro e a si mesmo ou ignorar o humano que há em cada um, se amortecendo na própria rotina, se ocupando de sua praga pessoal, para sempre...

texto release do espetáculo

Serviço: 
Quando: dia 28 de março de 2010 às 20:30h
Onde: Cine Teatro Universitário Ouro Verde
Quanto: 1 Kg de alimento não perecível

quarta-feira, 17 de março de 2010

Abis/OM é premiado em Manaus



     


     O espetáculo "Abis/OM", solo do ator Gerrah Tenfuss, foi um dos premiados no Festival Breves Cenas de Teatro, que aconteceu entre os dias 13 e 15 de março de 2010 no teatro Municipal de Manaus. O Festival  recebeu cenas de todo o Brasil e teve como jurados: Helder Vasconcellos, músico, ator e bailarino, um dos criadores do "Mestre Ambrósio" com o qual viajou a diversos países; Sandra Corveloni, atriz formada pela PUC-SP, que, além de vários outros trabalhos ao longo de sua carreira, esteve no premiado filme "Linha de Passe" de Walter Salles e Daniella Tomas, onde recebeu a Palma de Ouro de Melhor Atriz no Festival de Cannes 2008; e Leonardo Lessa, ator licenciado em teatro pelo Curso de Artes Cênicas da UFMG, e desde 2008 Coordenador Geral do Galpão Cine Horto, centro cultural do grupo Galpão em Belo Horizonte. 
     Os jurados concederam o "Prêmio Américo Alvarez de Breve Cena" para as quatro melhores cenas que aconteceram dentro do formato de Breve Cena. Além de "Abis/OM", foram premiadas também:"O Quarto" de Viviane  Palandi - SP; "Recriando Mitos Tikuna" da Cia. Teatral A Rã Qi Ri - AM; e "Que é Isso, Maria?" do Grupo IFCE- CE
    O prêmio principal, que é o direito de se apresentar no Festival Cenas Curtas que é realizado em Belo Horizonte pelo Galpão Cine Horto, foi dado a "O Funeral" da Cia. Buffa de Teatro - BA.
     A próxima parada de "Abis/OM" é o FIT - Festival Ipitanga de Teatro, que irá acontecer em Lauro de Freitas na Bahia ainda sem data definida. 

sexta-feira, 12 de março de 2010

Abis/OM - Solo do ator Gerrah Tenfuss em Manaus





Por Vivan Lima



O ator e performer rio-pretense Gerrah Tenfuss participa do Festival Breves Cenas de Teatro, em Manaus, com o espetáculo “Abis/OM”. 


A apresentação do ator rio-pretense no festival amazonense acontece no dia 14 de março, no Teatro Municipal de Manaus, às 19 horas. O Festival Breves Cenas, que está em sua segunda edição, promove o encontro de artistas de todo o País com o objetivo de atrair experimentos teatrais. “Abis/OM é um espetáculo que está no limiar entre a dança e o teatro”, diz Tenfuss. 

O espetáculo, que fala da solidão. estreou em dezembro de 2008 e já passou por festivais de Rio Preto, Sorocaba e Goiânia. Tenfuss usa os princípios de tempo e espaço do butoh para compor seu trabalho. Este ano, o Breves Cenas recebeu 42 inscrições. Foram selecionados 15 espetáculos dos Estados do Ceará, Amazonas, Pará, Minas Gerais, Bahia, Paraná e São Paulo. O espetáculo vencedor do 2º Breves Cenas participa em Belo Horizonte como convidado do 11º Festival Cenas Curtas, organizado pelo Galpão Cine Horto. 



domingo, 7 de março de 2010

Cia. Truks





Confira a programação de comemoração dos 20 anos da Cia. Truks no site

Globo

Amarrado a la boca del tiempo
sin escenificar su curso

con sospechada presencia
luego se esconde del tacto

recogerías los fragmentos
con infinita ternura?

Texto de Ignacio Lavayén

sábado, 6 de março de 2010

O Capote - Gecko


Um ESPETÁCULO. Essa é a definição que eu dou para "O Capote", peça da Cia. de Teatro Britânica Gecko, inspirada na obra de Nikolai Gogol e dirigida pelo criador do grupo Amit Lahav.
O espetáculo é cativante, logo de início música, o que já me encantou, e depois você percebe que a música é um ponto muito forte da Cia. Um dos atores, além de atuar muito bem, ainda toca vários instrumentos em cena. Além disso, a música dita muitas vezes o ritmo das ações dos atores; dita o ritmo de algumas cenas e com certeza dita o ritmo do espetáculo (tudo isso me encantou mais ainda). E o mais legal é que a gente percebe claramente que os atores são muito bem treinados. 
O teatro físico é outro forte da Cia. Todas as cenas são bem esculpidas, "dançadas", precisas, e mesmo ouvindo 8 idiomas em cena, você compreende e tem vontade de acompanhar toda a trama (outro fato que me encantou).
Fiquei feliz, pois pude apreciar um espetáculo pós-moderno, em que várias artes dialogam, mas que não perdeu seu sentido de teatro; não perdeu sua dramaturgia; não perdeu a magia do teatro. A ilusão que a Cia. Gecko propõe em algumas cenas, nos faz esquecer que estamos em um teatro,  nos faz esquecer do tempo que estamos ali (afinal de contas o espetáculo tem uma hora e meia), e eles fazem isso com técnica, com estudo, com treino, com trabalho. Acredito que é desta forma que eu quero fazer teatro; um teatro de pesquisa, vertical, novo em sua linguagem, mas mágico como o teatro sempre foi!


  

quinta-feira, 4 de março de 2010

Escrever um artigo

A idéia vem. Um belo dia, você, na sua casa, sentado no sofá, tomando um café, ou não, cozinhando..ou então na rua, passeando.. não sei, e na verdade nem importa onde, o que importa é que a idéia vem. E aí você pensa, por que não!? Então senta na frente no computador e começa a escrever. Ahhh seria tão fácil se assim fosse.
Tudo bem, a idéia existe, mas como colocá-la no papel? É aí que a dificuldade começa. O segredo é escrever de qualquer jeito (depois você arruma), e o outro segredo é escrever tudo o que vem na cabeça (alguma coisa você aproveita). Depois você passa o resto dos seus dias consertando, encaixando, aumentando, argumentando. E acredita que nem assim fica bom? E agora?
E agora é hora de deixar o tempo agir. Espere. Um dia sai!

terça-feira, 2 de março de 2010

Embodied Voodoo Game - Grupo Cena 11

Corpo vodu ( propõe a idéia de violação da percepção do outro considerando como metáfora o boneco vodu; o boneco é o bailarino, os movimentos são as agulhas, o objeto do "feitiço" é o corpo do espectador) e video-game: as funções de corpo do Grupo Cena 11 correlacionadas com o conceito de "game play".
Resumindo "game play" como a qualidade de engajamento do jogador incluindo toda sua experiência interativa com um sistema de jogo, o Grupo Cena 11 propõem uma formulação coreográfica que possa expor dentro de suas definições de corpo correlações conceituais entre dança e video-game, focalizando a função de corpo "corpo vodu" como elemento correlato à investigação corpo-joystick-jogadorno desenvolvimento de sistemas de jogos interativos.
Os oito bailarinos do Cena 11 executam uma formulação coreográfica inédita estruturada em material já produzido pela Cia. e vinculada a uma exposição teórico-prática dos argumentos que relacionam corpo e vídeo-game no campo de entendimento do Grupo Cena 11.
Elementos cênicos como o Acelerômetro (sensor de aceleração e movimento) e um controle de Nintendo Wii são usados pelos bailarinos para controlar som e vídeo. A platéia é convidada, em determinado momento, a participar do jogo compartilhando das ações de controle propostas pela Cia. na construção de um comportamento cênico.

Ps: Recomento o espetáculo! E aguardem aqui o jogo que eu fiz em Embodied Voodoo Game!!


...

Qué minutos inútiles los que se suicidan sim preguntar
Por qué dejo que tus huellas irrumpan en mis pasos?
Reconozco tu piel de arena en mis pensamientos, pretendo estar lejos, donde incluso ya no existo...

Texto de Carola Ondarza

segunda-feira, 1 de março de 2010

Qualquer coisa que te inspire 1

A Crueldade Humana

...o repórter, com isso, acreditou que a crueldade humana estava vencendo tudo. Vencera até a tentativa de paz, a busca por um protetor que já não mais existe.  Baixou a cabeça e olhou para o infinito cercado de vales e montanhas. Em sua face, a opressão de um grito calado. O desamparo. E então foi ele que se sentiu órfão.

Trecho do conto: Eterno Seresteiro
Autor: Eugênio Goussinsky
Loosin Yelav (Armênia) – Luciano Berio

Loosin yelav ensareetz
Saree partzòr gadareetz
Shegleeg megleeg yeresov
Pòrvetz kedneen loosnidzov

Jan a loosin
Jan ko loosin
Já ko gòlor sheg yereseen.
 
(Uma canção para "a lua querida",
que "enxutou a escuridão da Terra
dentro das nuvens negras". JMC)

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Cinza

A cor do dia!
Sentada, olhando a cor de fora, percebo que existem dias em que vivemos de acordo com essas cores. Nos deixamos invadir pelas cores de fora, enquanto o que na verdade importa é a cor de dentro; cor do humor, cor da energia, do movimento e do pensamento. 
Quantos dias quando criança, percebia cinza, buscando ansiosamente cores vivas ao meu redor e não, não estava lá. Eu acreditava que não tinha escolha.  
Hoje é um dia cinza, aquela sensação cinza de anos atrás permeia minhas impressões, ainda dentro desperta algo em mim. Está aqui, e vai ficar para sempre, mas se ela domina minhas ações, é uma escolha; a maneira como olho para ela é uma escolha, e eu escolho, por hoje, que só o dia está cinza! Só o dia! =)