quinta-feira, 27 de maio de 2010

A sociedade Brasileira

De acordo com Paulo Freire, nossa sociedade nasceu como uma sociedade fechada, caracterizada pela alienação cultural, falta de vinculo dialogal entre as elites e as massas, objeto e não sujeito de seu destino, devido ao fato de possuir um comando externo de uma economia baseada na exportação de matéria-prima, enfim, surgiu como uma sociedade que possuía grandes dificuldades em discernir e apreender a realidade.
Ainda de acordo com Paulo Freire, a partir das primeiras décadas do Séc. XX, depois dos primeiros surtos de industrialização, o Brasil entrou em crise, e passou assim, a ser uma sociedade em transição, caracterizada pela “emersão do povo” que exige a sua participação ativa dentro desta sociedade. Acontece então uma tomada de consciência do povo em relação a sua vida, mas essa consciência é uma consciência transitivo-ingênua, caracterizada pela simplicidade na interpretação dos problemas, sem compreender a noção de coletividade, pela fragilidade de argumentação, pelo apelo a explicações mágicas dos fatos, pela prática da polêmica e não do diálogo.
Para que essa consciência da sociedade, saia do nível transitivo-ingênuo e passe para o nível transitivo-crítico, ou seja, uma sociedade caracterizada pela profundidade na interpretação dos problemas; pela substituição das explicações mágicas por princípios causais; pela preocupação em testar os “achados” e se dispor a revisões; por negar à transferência de responsabilidade (recusa a posições “quietistas”; pela prática do diálogo e do questionamento) é necessário uma educação dialogal e ativa, voltada para a responsabilidade política e social.

FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. 29 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.